Como alertar pacientes sobre importância do autocuidado

Um levantamento recente realizado pelo IBOPE apresentou um raio-X dos hábitos de autocuidado dos brasileiros. O estudo apontou que 84% dos entrevistados buscam ter uma rotina de autocuidado, mas apenas um terço deles consegue colocar em prática esses hábitos com regularidade.

Além disso, a pandemia está afetando os hábitos de saúde. A pesquisa revela que 25% dos entrevistados diminuíram a frequência ou pararam completamente de praticar atividades físicas nos últimos meses, o que reflete o impacto do isolamento social e do fechamento de parques e academias por todo o país. Já 81% dos entrevistados gostaria de se alimentar melhor.
Esse panorama mostra que ainda há muito a se melhorar. Uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) apontou que 72% das pessoas com doenças crônicas só descobriram a presença de uma patologia após o aparecimento de sintomas físicos. O autocuidado pode prevenir enfermidades, retardar o desenvolvimento das que já se instalaram e minimizar futuras complicações nos pacientes.

Por conta disso, o #SeCuidaDoutor separou algumas dicas, para você e seus pacientes, de como cuidar melhor da saúde

1 – Desenvolva o autocuidado com exercícios físicos

Hábitos de exercícios foram impactados pela rotina imposta pelo novo coronavirus, ainda que saibamos todos os benefícios que essas práticas proporcionam. As atividades físicas favorecem o sono, apetite, funcionamento do intestino, além de prevenir doenças como diabetes, obesidade e depressão. Em outras palavras, é bom para a autoestima, para a disposição e também para a saúde de forma geral.

Caminhadas diárias, com máscara, podem ser um bom início para quem está parado. Além disso, há vários sites e aplicativos que ensinam a prática de exercícios em casa.

2 – Autocuidado com bons hábitos de higiene

Os hábitos de higiene também são importantes para manter a saúde. A higiene bucal, por exemplo, evita infecções na gengiva que, em um quadro extremo, podem causar até problemas cardíacos. Lavar mãos e tomar banho, especialmente após retornar para casa, tornou-se imprescindível para evitar contaminação da COVID-19.

3 – Autocuidado com alimentação

A alimentação também é um fator crucial para evitar doenças como diabetes, obesidade, alguns tipos de anemia, entre outros. A Asbran (Associação Brasileira de Nutrição) relaciona em seu Guia Alimentar para a População Brasileira uma alimentação e saúde, levando em conta nutrientes, alimentos, combinações de alimentos, refeições e dimensões culturais e sociais das práticas alimentares.

4. Autocuidado com as relações sociais

Um aspecto menos comentado, mas tão importante quanto os anteriores, é prezar pela vida social. Afina, cuidar da mente também é cuidar do corpo. Conversar com pessoas queridas, mesmo que por vídeo e/ou telefone, é benéfico para a saúde.

De acordo com pesquisa publicada na revista científica Pers Soc Psychol Bull, um estudo feito por pesquisadores norte-americanos mostrou que conversar com amigos por apenas 10 minutos diariamente traz impactos positivos no funcionamento da nossa memória e do desempenho intelectual. Segundo os pesquisadores, quanto maior o nível da interação social, melhor o desempenho de funções cognitivas do cérebro. E isso pode ser potencializado com boas conversas entre amigos, por exemplo.

Além disso, Yaakov Stern, professor do Departamento de Neurologia e Psiquiatria da Universidade de Columbia, ressalta a importância das interações sociais e momentos de lazer para a manutenção e construção de uma boa reserva cognitiva —termo referente à maneira de preservação das capacidades cerebrais durante o processo natural de envelhecimento do ser humano. Uma boa reserva cognitiva é capaz de aumentar as chances de proteção e adiamento do aparecimento de sintomas de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer, por exemplo.

*A Bayer não tem parceria ou se responsabiliza pelos serviços citados e prestados por terceiros.

<< voltar para Covid-19