Crise provocada pelo coronavírus exige cuidado redobrado dos médicos com a vida financeira

Pacientes estão desmarcando consultas de rotina e procedimentos, diminuindo o volume de atendimentos e, consequentemente, de receita.

Todas as áreas profissionais estão sendo afetadas pelos problemas econômicos provocados pelo coronavírus - incluindo os médicos. Evasão de pacientes devido às recomendações de afastamento social, faturamento em queda e nenhuma previsão de melhora em curto prazo. Ao invés de somente torcer para tudo passar em breve, é hora de fazer um plano de contingências para a vida financeira e controlar o orçamento doméstico com rigor.

Passo a passo para os médicos controlarem a vida financeira

1º PASSO - Faça uma lista com os seus ganhos e gastos

Para rever o orçamento doméstico e conseguir identificar o que é possível fazer para melhorar a saúde financeira, primeiro você precisa organizar o orçamento - seja em planilha no computador ou em uma simples folha de papel, não importa. Faça uma lista detalhada do que você ganha e com o que você gasta esse dinheiro, veja o modelo a seguir:

  • [Ganhos] Posto de saúde - valor mensal líquido;
  • [Ganhos] Plantões - valor mensal líquido;
  • [Ganhos] Consultório particular - valor bruto da média mensal de faturamento. Não tire os gastos ainda, é importante listá-los para ver o que pode ser cortado;
  • [Gastos] Equipe do consultório particular - liste o salário, encargos e benefícios que você paga a cada profissional que presta serviço constante, da faxina ao atendimento;
  • [Gastos] Serviços fornecidos ao consultório particular - discrimine tudo, como luz, água, telefone e internet;
  • [Gastos] Suprimentos para o consultório particular - liste desde o café e itens de escritório até material de atendimento, como luvas;
  • [Gastos] Aluguel e impostos do consultório particular - relacione todos os custos fixos;
  • {Gastos] Aluguel e impostos de casa - discrimine valor mensal de aluguel, condomínio, IPTU e o que mais houver;
  • [Gastos] Serviços fornecidos para a casa - valor médio mensal de água, luz, telefone, internet;
  • [Gastos] Saúde da família - planos de saúde e quaisquer outros gastos fixos na área para a família, incluindo o custo de medicamentos;
  • [Gastos] Alimentação em casa - valor médio mensal;
  • [Gastos] Vestuário da família - valor médio mensal de itens para todos de casa;
  • [Gastos] Alimentação fora de casa - despesa média mensal de todos em casa;
  • [Gastos] Entretenimento da família - valor médio mensal do que é gasto com cada um de casa em passeios, cinema etc.;
  • [Gastos] Educação - despesa mensal com cursos para você ou outros membros da família, desde uma especialização, até escola dos filhos e cursos de línguas;
  • [Gastos] Pet - gasto fixo com banho e veterinário do bichinho de estimação;
  • [Gastos] Academia - valor mensal do que todos gastam;
  • [Gastos] Carro - combustível e qualquer outro item necessário por mês;
  • [Gastos] Transporte - média do que as pessoas em casa, incluindo você, gastam com transporte público e táxi por mês;
  • [Gastos] Celular - custo mensal dos planos de telefonia de todos em casa;

2º PASSO - Faça uma lista com todas as suas dívidas

Coloque na relação qualquer quantia que você tenha tomado de uma instituição financeira e ainda não tenha quitado e pagamentos de qualquer tipo em atraso, tais como:

  • Financiamentos para adquirir algo;
  • Empréstimos;
  • Alugueis atrasados;
  • Mensalidades em atraso de escolas e cursos;
  • Fatura atrasada de cartão de crédito etc.

3º PASSO - Corte tudo o que não for absolutamente essencial

empos difíceis requerem medidas firmes. Reúna a família e mostre a lista de ganhos e gastos para que todos participem e se comprometam com os cortes que precisam ser feitos. Mantenha só o que for absolutamente indispensável e o que não pode ser cortado sob o risco de causar um problema ainda maior, mas tente renegociar para reduzir o valor de tudo o que for possível, tal como:

  • Dívidas com serviços fixos - prepare uma proposta de pagamento, por exemplo, de alugueis e mensalidades de escola em atraso para negociar com os credores.
  • Dívidas com instituições financeiras - estude a possibilidade de pagar dívidas que têm juros muito altos, como cheque especial e cartão de crédito, com alguma modalidade de empréstimo com juros mais baixos.
  • Financiamentos e parcelamentos - verifique se é possível fazer a portabilidade da sua dívida para outra instituição que cobre juros mais baixos ou tente renegociar as condições com a instituição.
  • Pagamento de aluguel - tente negociar com o proprietário uma redução temporária, principalmente se for o aluguel do consultório, uma vez que o fluxo de pacientes diminuiu por causa do coronavírus.
  • Telefonia fixa, celular, internet e TV a cabo - tente negociar redução de tarifas ou pesquise planos mais baratos nas operadoras. Em pacotes que incluem vários serviços, avalie a possibilidade de cancelar algum. Por exemplo, tirar do pacote os canais de TV e contratar um provedor de filmes e séries por internet. A redução pode ser significativa com isso.

4º PASSO - Faça um fundo de reserva

Se você ainda não tinha um fundo de reserva para usar em um momento como o atual, está mais do que na hora de fazer um. Independentemente de ser mais complicado por causa da redução de receitas, separe uma parte do que você vai deixar de gastar no orçamento doméstico, por menor que seja, e comece. Você pode colocar, mensalmente, o valor em uma aplicação financeira.

  • Atenção - existem aplicações que você pode começar a fazer com um pouco menos que R$ 40,00. Dê preferência para as que oferecem a possibilidade de resgate a qualquer momento, uma vez que pode ser necessário usar o fundo em uma situação emergencial.

Algumas outras formas do médico manter a vida financeira em dia

Telemedicina - o Ministério da Saúde liberou o atendimento à distância durante a pandemia do coronavírus para qualquer paciente, não só para quem tem suspeita de covid-19. Você pode fazer o atendimento pelo telefone ou por outro método que garanta a segurança e o sigilo das informações do paciente. O Ministério autorizou as seguintes práticas:

  • Atendimento pré-clínico;
  • Consultas;
  • Diagnóstico;
  • Suporte assistencial;
  • Monitoramento.

Medical writer - é possível trabalhar em vários tipos de projetos como um escritor médico especialista. Desde a produção de documentos técnicos baseados em pesquisas científicas ou em saúde, até conteúdos para sites na área de saúde. Há empresas que contratam esse tipo de profissional, mas também é possível trabalhar como freelancer. Existem plataformas na internet onde você pode se registrar e candidatar a projetos desse tipo, por exemplo:

  • Freelancer - o acesso é gratuito e tem mais de 27,4 milhões de usuários cadastrados, é uma das maiores plataformas de freelancers do mundo. Nela, o cliente publica as informações do trabalho que deve ser feito e os profissionais interessados em produzi-lo fazem uma oferta com o valor de quanto desejam ganhar.

Auxílios para quem tem empresa - em função dos problemas econômicos causados pelo coronavírus, a Caixa Econômica, o BNDES e o Banco do Brasil oferecem uma série de soluções para apoiar micro e pequenas empresas, por exemplo: redução de juros de diversas linhas de crédito, crédito para folha de pagamento, capital de giro, suspensão temporária de pagamento de empréstimos concedidos e até, no caso da Caixa, a possibilidade de pausar o recolhimento do FGTS referente a março abril e maio de 2020 com o parcelamento posterior dos recolhimentos suspensos.

Auxílio emergencial do Governo - pode ser solicitado o auxílio de R$ 600 no site da Caixa Econômica e no aplicativo do banco. A mulher que é mãe e chefe de família pode receber o dobro se estiver dentro dos critérios de elegibilidade. O auxílio emergencial durará três meses ou irá até o fim da emergência provocada pela coronavírus e pode ser prorrogado se houver necessidade. Para ter direito, a pessoa precisa cumprir todos os seguintes critérios:

  • Ser trabalhador informal, ou autônomo, ou desempregado, ou ter MEI;
  • Ter mais de 18 anos e CPF ativo;
  • Ter, até março de 2020, renda mensal familiar por pessoa de até R$ 522,50 (meio salário mínimo) ou renda mensal familiar total de até R$ 3.135,00 (três salários mínimos);
  • Não ter recebido, em 2018, rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70.

<< voltar para Covid-19