O médico de família e bioinformata: conheça mais esses profissionais da saúde em alta no mundo pandêmico

A pandemia do novo coronavirus transformou a rotina de trabalho de inúmeros profissionais ao redor do mundo. Os profissionais de saúde foram um dos mais afetados, tanto os que estão na linha de frente, quanto os que estão auxiliando seus pacientes em outras especialidades.

Com rápidas mudanças ocorrendo no mercado de trabalho e dinâmicas urbanas, duas áreas da saúde ganharam ainda mais importância nesses últimos meses: a da bioinformata e a do médico de família.

O bioinformata é um profissional de pesquisa, desenvolvimento e inovação que trabalha diretamente com os dados gerados por metodologias da pesquisa médica e biológica, aponta João Paulo Matos, especialista em Bioinformática e vice-coordenador do Programa de Pós-graduação em Bioinformática da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

“É uma profissão essencialmente multidisciplinar, que faz a intercessão entre várias áreas de atuação. O bioinformata usa métodos da ciência da computação para a aquisição, o gerenciamento, a análise e a predição da informação biológica e médica e transforma isso em conhecimento. Embora do ponto de vista computacional o dado médico/biológico possa ser tratado da mesma forma que qualquer outro, os resultados e as conclusões da sua análise são fortemente dependentes da metodologia experimental pela qual eles foram obtidos”, explica

Por conta disso, a importância do bioinformata cresceu ainda mais nesse período de pandemia. Visto que possuem importante função nos testes de COVID-19, assim como integram grupos de pesquisa que visam disponibilizar as vacinas contra esse vírus como aponta reportagem da National Geographic. Nesse cenário incerto, é uma área que merece atenção dos profissionais da saúde, especialmente aqueles que se interessam por tecnologia e ciências de dados.

Já uma outra especialidade de destaque nesta quarentena é o médico de família. Essa especialidade, de acordo com Rafael Herrera Ornelas, médico de família do Hospital Israelita Albert Einstein, é um especialista para além das doenças, ele é especialista em gente.

“Sua atuação é baseada na relação médico-paciente, que deve ser individualizada para cada pessoa. Além disso, esse especialista tem o papel de evitar que as pessoas façam exames desnecessários, procedimento, consultas e intervenções que não sejam indicadas ou que possam trazer mais riscos do que benefícios”, complementa.

Já Maria Beatriz de Miranda Coutinho explica que o médico especializado em saúde da família se ocupa do diagnóstico, para orientar o paciente sobre medidas de prevenção e, se necessário, de tratamento. A finalidade dessa especialidade é conhecer e acompanhar as pessoas por toda a vida, dentro do seu contexto e das suas complexidades.

Médicos de família ajudam direta e indiretamente no combate ao novo coronavírus. Esse atendimento primário destes profissionais faz com que os pacientes com suspeita da COVID-19 em uma comunidade possam ser tratados com celeridade, sendo essenciais no enfrentamento da pandemia.

*A Bayer não tem parceria ou se responsabiliza pelos serviços citados e prestados por terceiros.

<< voltar para Covid-19