Saiba como atuar no Médicos Sem Fronteiras

Nesse período de pandemia e isolamento social, muitas pessoas utilizam o tempo para refletir sobre a vida e traçar novos planos, criando novos sentidos para a carreira e vida.  Uma dessas opções que surgem são as missões humanitárias como o Médicos Sem Fronteiras (MSF).

A organização foi criada em 1971, na França, por jovens médicos e jornalistas. Os fundadores atuaram como voluntários no fim dos anos 60 em Biafra, na Nigéria, e perceberam as limitações da ajuda humanitária internacional, como a dificuldade de acesso e os entraves burocráticos e políticos.

O MSF surge como uma organização humanitária que associa ajuda médica e sensibilização do público sobre o sofrimento de seus pacientes, dando visibilidade a realidades que não podem permanecer negligenciadas. Segundo a entidade, os profissionais trabalham em mais de 70 países. Só em 2018, os quase 40 mil médicos em campo realizaram cerca de 11,2 milhões de consultas ambulatoriais.

Para ingressar na organização há um processo seletivo que consta em três etapas: análise do currículo, pré-entrevista e atividade presencial – sendo que o MSF não fornece subsídios financeiros para a participação de nenhuma das etapas.

Uma dúvida comum é relativa à remuneração. O programa custeia os gastos com alimentação, moradia e locomoção dos profissionais contratados durante os projetos. Além disso, enquanto estiverem em campo, os médicos recebem um salário mensal que varia de acordo com sua experiência na organização e outros critérios.

O próprio MSF informa que essa remuneração em geral é inferior ao oferecido pelo mercado, já que o principal motivo para um médico aceitar a missão em outro país não é a questão financeira.

Além do trabalho em campo, é possível consultar as vagas abertas para o escritório no Brasil e construir carreira dentro do Médicos Sem Fronteiras. E, claro, a organização mantém uma campanha constante de doações. Interessados podem colaborar a partir do site da instituição.

*A Bayer não tem parceria ou se responsabiliza pelos serviços citados e prestados por terceiros.

<< voltar para Covid-19